domingo, 19 de outubro de 2014

Meu Blog

Esta foi a apresentação que fiz para as orientadoras do PNAIC que realizam a formação na UFPR.

domingo, 12 de outubro de 2014

JOGOS e TEXTOS








Olá professores

Estou fazendo um curso a distância sobre Tecnologia e Alfabetização Matemática, e ele foi organizando em torno das propostas do PNAIC - Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - para Alfabetização Matemática. Nele conheci alternativas para o uso da tecnologia nas práticas pedagógicas de professores alfabetizadores que ensinam Matemática.

Não podia deixar de dividir com vocês essas alternativas. Por isso, o blog está recheado de jogos e textos sobre o assunto. Não deixe de conferir! 


Por que se deve ensinar matemática para as crianças?

Róbinson Carlos dos Santos
Em alguns estudos feitos para se saber o porquê de ensinar matemática às crianças, foram pensadas algumas respostas para tal pergunta.
Algumas dessas repostas foram de funcionalidades práticas, porém era desejo de se chegar a algo mais profundo. Foi então que uma simples dedução respondeu a essa pergunta.
Ensinar matemática é necessário para que se possa introduzir aos alunos conceitos de raciocínio lógico, capacidade de abstrair, generalizar e principalmente desenvolver a independência do indivíduo no cotidiano.
Seguindo essa linha de raciocínio, outras questões surgem:
Será que os métodos de ensino são adequados a essa realidade?
Será que os alunos aprendem de fato esse saber de fundamental importância ou apenas decoram fórmulas e a tabuada?
O dever do educador é mostrar aos alunos a praticidade dessa tal matemática, mostrar-lhes que, em nossa sociedade capitalista e globalizada, tudo que se pode imaginar está ligado diretamente ou indiretamente a esta ciência.
Como exemplo, pode-se citar a Estatística, um dos ramos da matemática que diariamente aparece nos jornais impressos, na internet e na televisão.
A maioria das pessoas conhece esse conteúdo riquíssimo que nos ajuda a compreender o que está se passando em nosso país e no mundo.
O papel do professor/mediador nesse processo de construção de conhecimento é fazer com que os alunos estabeleçam vínculos entre a teoria estudada e essas situações cotidianas, as quais estão se tornando cada vez mais rotineiras.
Vale destacar que, atualmente, existem várias propostas para o ensino da matemática, porém, estudos indicam que a proposta mais eficiente é a proposta baseada na “Resolução de Problemas”.
Nesse tipo de proposta, visa-se a construção de conceitos matemáticos por meio de situações que estimulam a curiosidade e pelas experiências que deverão ser interpretadas, assim, busca-se explicar essa situação dentro de uma concepção matemática.
Existem outras propostas para o ensino da matemática. Como exemplo, pode-se destacar a modelagem, a etnomatemática, a história da matemática, os jogos e o uso de computadores.
Porém, o mais interessante e importante a se fazer é trabalhar essas práticas simultaneamente, mostrando aos alunos que elas se completam, quebrando, assim, o paradigma de uma matemática fragmentada.
Sabe-se que num ambiente escolar há algumas dificuldades em se desenvolver essas propostas matemáticas, mas vale a pena experimentar cada uma dessas propostas e buscar a que melhor se adéque à realidade.

Róbinson Carlos dos Santos é Graduando em Licenciatura em Matemática pela UNIP (Universidade Paulista). Mediador de Matemática do Projeto Planeta Educação no Município de Pindamonhangaba.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Ser professor: uma escolha de poucos

Pesquisa com estudantes do Ensino Médio comprova a baixa atratividade da docência

Rodrigo Ratier (rodrigo.ratier@fvc.org.br) e Fernanda Salla


Nos últimos anos, tornou-se comum a noção de que cada vez menos jovens querem ser professores. Faltava dimensionar com mais clareza a extensão do problema. Um estudo encomendado pela Fundação Victor Civita (FVC) à Fundação Carlos Chagas (FCC) traz dados concretos e preocupantes: apenas 2% dos estudantes do Ensino Médio têm como primeira opção no vestibular graduações diretamente relacionadas à atuação em sala de aula - Pedagogia ou alguma licenciatura (leia o gráfico abaixo).

Uma profissão desvalorizada Só 2% dos entrevistados pretendem cursar Pedagogia ou alguma Licenciatura, carreiras pouco cobiçadas por alunos das redes pública e particular
Ilustração: Mario Kanno
Fonte: Pesquisa Atratividade da Carreira Docente no Brasil (FVC/FCC)

A pesquisa, que ouviu 1.501 alunos de 3º ano em 18 escolas públicas e privadas de oito cidades, tem patrocínio da Abril Educação, do Instituto Unibanco e do Itaú BBA e contou ainda com grupos de discussão para entender as razões da baixa atratividade da carreira docente. Apesar de reconhecerem a importância do professor, os jovens pesquisados afirmam que a profissão é desvalorizada socialmente, mal remunerada e com rotina desgastante (leia as frases em destaque)
"Se por acaso você comenta com alguém que vai ser professor, muitas vezes a pessoa diz algo do tipo: 'Que pena, meus pêsames!'"
Thaís*, aluna de escola particular em Manaus, AM

"Se eu quisesse ser professor, minha família não ia aceitar, pois investiu em mim. É uma profissão que não dá futuro."
André*, aluno de escola particular em Campo Grande, MS

* Os nomes dos alunos entrevistados foram alterados para preservar a confidencialidade da pesquisa

O Brasil já experimenta as consequências do baixo interesse pela docência. Segundo estimativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apenas no Ensino Médio e nas séries finais do Ensino Fundamental o déficit de professores com formação adequada à área que lecionam chega a 710 mil (leia o gráfico ao lado). E não se trata de falta de vagas. "A queda de procura tem sido imensa. Entre 2001 e 2006, houve o crescimento de 65% no número de cursos de licenciatura. As matrículas, porém, se expandiram apenas 39%", afirma Bernardete Gatti, pesquisadora da Fundação Carlos Chagas e supervisora do estudo. De acordo com dados do Censo da Educação Superior de 2009, o índice de vagas ociosas chega a 55% do total oferecido em cursos de Pedagogia e de formação de professores.


Faltam bons candidatos A baixa procura contrasta com a falta de docentes com formação adequada 
Ilustração: Mario Kanno
Fontes: Inep e Censo da Educação Superior (2004 e 2008)

Um terço dos jovens pensou em ser professor, mas desistiu
Ilustração: Mario Kanno
Ilustrações: Mario Kanno
O estudo indica ainda que a docência não é abandonada logo de cara no processo de escolha profissional. No total, 32% dos estudantes entrevistados cogitaram ser professores em algum momento da decisão. Mas, afastados por fatores como a baixa remuneração (citado nas respostas por 40% dos que consideraram a carreira), a desvalorização social da profissão e o desinteresse e o desrespeito dos alunos (ambos mencionados por 17%), acabaram priorizando outras graduações. O resultado é que, enquanto Medicina e Engenharia lideram as listas de cursos mais procurados, os relativos à Educação aparecem bem abaixo (leia os gráficos na página ao lado).
Um recorte pelo tipo de instituição dá mais nitidez a outra face da questão: o tipo de aluno atraído para a docência. Nas escolas públicas, a Pedagogia aparece no 16º lugar das preferências. Nas particulares, apenas no 36º. A diferença também é grande quando se consideram alguns cursos de disciplinas da Escola Básica. Educação Física, por exemplo, surge em 5º nas públicas e 17º nas particulares. "Essas informações evidenciam que a profissão tende a ser procurada por jovens da rede pública de ensino, que em geral pertencem a nichos sociais menos favorecidos", afirma Bernardete. De fato, entre os entrevistados que optaram pela docência, 87% são da escola pública. E a grande maioria (77%), mulheres.

O perfil é bastante semelhante ao dos atuais estudantes de Pedagogia. De acordo com o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) de Pedagogia, 80% dos alunos cursaram o Ensino Médio em escola pública e 92% são mulheres. Além disso, metade vem de famílias cujos pais têm no máximo a 4ª série, 75% trabalham durante a faculdade e 45% declararam conhecimento praticamente nulo de inglês. E o mais alarmante: segundo estudo da consultora Paula Louzano, 30% dos futuros professores são recrutados entre os alunos com piores notas no Ensino Médio. O panorama desanimador é resumido por Cláudia*, aluna de escola pública em Feira de Santana, a 119 quilômetros de Salvador: "Hoje em dia, quase ninguém sonha em ser professor. Nossos pais não querem que sejamos professores, mas querem que existam bons professores. Assim, fica difícil".

Professor é quem faz a diferença na qualidade de ensino

Conforme a comparação dos dados de escolas paulistanas com o desempenho médio dos alunos no Enem 2012 (Exame Nacional do Ensino Médio), a qualidade do ensino está diretamente relacionada à capacitação e o trabalho do professor. Na comparação dos dados, os colégios que disseram exigir especialização, mestrado ou doutorado dos docentes tiveram notas superiores aos que responderam aceitar apenas a graduação.
Para o pesquisador Antônio Augusto Gomes Batista, do Cenpec, a titulação do professor por si não é um determinante. Segundo ele, outros fatores influenciam, como manter um bom ritmo de aula e capturar o interesse do aluno.
Folha de S. Paulo

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

CADERNO 6 - GRANDEZAS E MEDIDAS

Olá meninas,

Estou postando os slides da nossa formação, onde trabalhamos sobre a construção de relatos de experiências e o Caderno 6 - Grandezas e Medidas.

Irei encaminhar para os emails de vocês alguns textos que tratam sobre a quantidade de açúcar nos alimentos, caso queiram aproveitar a sugestão para trabalhar com seus alunos e também vou enviar o Livro Irmãos Gêmeos.

Lembrem-se que a nossa tarefa é reorganizar o relato de acordo com os passos que vimos na formação e me encaminhar até o dia 12/10 por email.

Beijosss

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

DIA INTERNACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO

Parabéns a todas professoras alfabetizadoras que estão construindo um mundo letrado!!
Vocês são a diferença para os seus alunos!!

domingo, 7 de setembro de 2014

CADERNO 5 - GEOMETRIA

Olá meninas,

segue os slides que foram (deveriam) ser trabalhados na nossa última formação.
Infelizmente acabou a luz e não consegui finalizá-los, mas deem um olhadinha e qualquer dúvida, conversamos na próxima formação.


Não deu tempo de passar para vocês, mas temos TAREFA DE CASA!!




 Coloquei na página MATERIAIS, alguns materiais sobre Geometria, inclusive os que o Professor Marcos mostrou.

Segue o vídeo apresentado como leitura deleite: O Homem que Amava Caixas


Beijosss

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

CADERNO 4 (CONCLUSÕES FINAIS) E TROCA DE EXPERIÈNCIA

Meninas,

demorei para postar os slides da nossa última formação pois estava esperando o envio das atividades de todas. Agora que consegui concluir os slides.
Fiquem bem a vontade para rever as experiências das colegas e colocar em prática estas atividades maravilhosas.
Estou muito orgulhosa da produção de vocês. Agora é hora de colocarmos no papel tudo isso. Pensem nisso!

Beijos

domingo, 10 de agosto de 2014

CADERNO 4



Olá meninas,

Estou postando os slides da nossa última formação, que foi trabalhado o caderno 4.
Não esqueçam de preparar para a próxima formação (19/08) uma atividade envolvendo o SND ou resolução de problemas para apresentar. (enviar material até o dia 15/08)

beijos

sábado, 2 de agosto de 2014

CAIXA MATEMÁTICA

Meninas, vocês arrasaram com suas CAIXAS MATEMÁTICAS. Isso porque estamos só no começo.
Espero que seus alunos estejam aproveitando muito estes materiais que vocês selecionaram com tanto carinho.
Parabénss!!